sábado, 28 de março de 2015

espia a Vida Secreta! espia!










aqui um dos meus inéditos desta segunda edição:



tapume


onde põe-se o tapume
o ato obsceno de assoprar a comida quente
a primeira gota do chuveiro a primeira a lamber
a auréola do teu mamilo do teu
pênis
a mulher corta pepinos como quem
corta cordões umbilicais
onde põe-se o tapume
no prato para um só grão
seus grãos pendentes
o garfo espetado na batata quente
a mulher que sentava a pomba em purê de abóboras
a vizinha que se esfregava na pilastra enquanto pedia
empresta-me uma inconveniência de açúcar
o ato obsceno de assoprar o dado
as mãos daquele teu ex-armador
havia um coração flechado para cada caderninho
adolescente
onde
põe-se o tapume
tua púbis minha barba






sábado, 21 de março de 2015

moietymoiety – 121



no trinco de um poema do apetitoso OssipMandelstam
traga-se
METADE DO CÉU É USAR BOTAS DE INVERNO

trabalham as botas para que o estrondo da
tragada seja pelo menos meia boca
um pregador inteiro na língua

bom dia e metade do dia é usar palavras de prego na tua






 (série do larCavoDica a ser postada também aqui)




quarta-feira, 11 de março de 2015

janelas para onde der – 21















abro a janela maior
não quero engolir a semana toda
já é inferno astral aqui
então calo a boca maior e continuo a transpirar
quero me entediar de tanto amor suado
porém o homem do adubo não veio hoje
não vou engolir a existência toda
porém o homem do adubo não chega nunca
qualquer sumo que venha a alimentar o transe
do avental pendurado ali na espera maior

abro a pequena janela






sábado, 7 de março de 2015

janelas para onde der – 20





é como ver na lupa dessa manhã
que ainda não sei se é nossa
ainda é o cão esperando o coração de galinha
não sei mesmo mas sei sim não vês?
é como acompanhar através da lupa dessa manhã
atrás do teu sebo digital

agora vês
a formação duns cristais
mas eu ainda não sei
montanha alpendre pilastra
sabe
quando num filme dizem amor
também querem dizer
montanha alpendre pilastra romance arame farpado mina terrestre
é como ver na janela daquela manhã: ainda o coração de galinha, amor.















... but don't change your hair for me ...










§§§








(Obrigada, Jandira Zanchi! Obrigada, Daniel Zanella!)



ah!