segunda-feira, 28 de abril de 2014

REZADONICHOPESCADÔ/ minha senhora minha senhora




















se justifico a vida grosseira de uma rocha sobre a boca daquele homem que te maldiz
então é porque sou justificador
pesco pouco nas horas em que não
olho e vejo e enxergo quase e então
somente os olhos dos peixinhos semivivos, já enganchados na minha e na tua fome
se justifico as línguas grosseiras com mais da metade do corpo para fora do que pano
então é porque sou
um justificador
tenho as mãos cheias de cacos para não ser, minha senhora
não presto mais pra isso de conviver
daí o barco talhado feito esquife
de bordas tomadas pelas cigarras mais taciturnas que já pude

desse hoje mixo
arroubo veloz levando teu rosto nas gotas inumanas











§§§





E estou lá, com tanta alegria e honra, entre as meninas da série (AS MULHERES POETAS...(49ª postagem)) que o jornalista e poeta Rubens Jardim segue postando em seu sítio e no overmundo



Obrigada, querido!
Obrigada pelas oportunidades: estar entre essas lindas mulheres e acompanhar essa maravilhosa série!






quinta-feira, 24 de abril de 2014

moietymoiety – 101





meu homem sonhou com corvos
não sabe se irá morrer
se irá fortalecer minhas crenças
com carinhos de asas más
sonhou e não sabe
duas coisas minhas
e meu homem
que a mim remata
sonhou com corvos
irá morrer?








(série do larCavoDica a ser postada também aqui)



segunda-feira, 21 de abril de 2014

moietymoiety – 100






na China no oeste debaixo da tua pálpebra na tua lucidez
a chuva corre a laranja
depois da laranja
o chão
mas antes
a laranja
a chuva curva a laranja na China
meio a meio
no oeste
debaixo e pelo cimo azul











(série do larCavoDica a ser postada também aqui)




quinta-feira, 10 de abril de 2014

moietymoiety – 99




somava assim:

vestindo-se em prata
a falta de sombras
calaria suas câimbras na loucura que é a limpeza que é o nome da coisa limpeza, uma coisa sujando a outra, a fraca musculatura toda da limpeza, uma coisa emporcalhando a outra e bem debaixo do teu nariz, líquido, caindo, líquido













(série do larCavoDica a ser postada também aqui







quarta-feira, 2 de abril de 2014

moietymoiety – 98





no lugar do dorso
um totem de gentes
falsas Luzias
querem limpar a tudo o que olham
    (pensam que olham a tudo o que enxergam)
mas não
no lugar do dorso
um terço e
sem cerimônias
todas as minhas mãos






(série do larCavoDica a ser postada também aqui)









¬¬¬




inda a sangria:







...


T.

totem:

um cavalo está parado diante das minhas mãos
e não posso:
estou pelada

uma criança me vê pelada
e não posso:
estou imaculada
sou invisível

escorrego e me espatifo toda no chão de cimento cru
estou lá
pelada e me sinto terrível
uma megera
o chão é cru! o chão é cru! e eu não me caramujo nem um tanto.

...







Mariza, Silvana, meninas!, beijo vossos cocurutos!