terça-feira, 26 de março de 2013

Raul Macedo / teu rosto é um santuário – 3







de joelhos, Raul
te digo
te falo
sobre asneiras
de joelhos
para que 

o que desanda em mim
dobre sobre por sobre
em fracos argumentos
para que eu te diga
Raul
de asneiras e criancices
para que eu te fale, Raul
de joelhos
te diga
te ore
para que eu te fale






2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Esse misto de "oração", de lamento, de anseio de falar ganhou um ritmo bonito. Falar do que desanda, do que não anda, do que fica sem ser dito. Poema bonito.

    ResponderExcluir