quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

CaiXas/ formatando nichos – VI





num pátio largo
reto
branco
encaixotado de sol e sombras 
retas
seco
quase cinza
do quebradiço de folhas secas
sépia
de sulcos vermelhos e azuis
um homem em crises de estadia
não percebe
parece
afinado do nada
quase desmoronando
desmoronado
cheio e oco
como uma foz no segredo
não percebe ao quadro
vê o relógio na torre
outro desenhado de lasca de tijolo no chão
outro no muro de heras
outro no esqueleto duma folha
na cadeira
e nuns fios
que saem do nome do pátio 

LAVARINTO DA FENDA 
não há pudor
também não há despudor
desenho feito do desmanche doutro
não te movas!
ou te fundiras com a paisagem
com a ideia que te traz sem horas
com o fausto do canto
feito dois pingentes
para tuas orelhas
que sagram
o porque da minha saliva no quadro cinza
seco
quase branco
quebradiço
azul e vermelho

     tua lágrima é teu acessório de luxo

     eu não quero te salvar



















Nenhum comentário:

Postar um comentário