sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

cabaças/ como explica o que dança em Pina – 4












uma torção
optar a implorar
a esperar
um segundo
o último gole
um naco do que há atrás do vidro
em transição
a areia ataca aos meus ouvidos
meu amor, estou doendo às conchas
estou rindo
e não espero o momento seguro
uma torção
uns drinks
uns que queimam, uns que gelam
devolver um naco de mundo para cada homem de mistérios
mais uma torção
e um dia haverá matrimônio
e vou correr até os porcos
e sujar todo o vestido, vou cantar uma música inventada, vou tocar meus ombros e sabê-los bonitos suportes de ser-te
e serei 
a porca mais mortal que já se cobiçou

vou viver sob o sol

confiscar toda a lama



Nenhum comentário:

Postar um comentário