terça-feira, 21 de agosto de 2012

GnosiS/ Sinais do Quê – 4







é destino dado
teu maior miúdo o beijo
do quando a gente baba inteiriço
seria até fatal
carecesse do tanto querer
e é um só passear de língua nas ruelas gengivais
facear de língua teu tordo verbo
antes da boca
antes, bem antes, de mim
de surpresa afora
crescer a boca em lábios dos primeiros instantes dos primeiros choros
brotar, brotar e ser
depois ir
tendo de passarinho na boca
e ir originando um sempre que se começa no que saem as línguas embebidas dos verbos machucadinhos, sem asas
origami do que queres, sabes ou não?
de ter amor a alguém, ao graveto caído, a casa alheia
ao amor que dobra-se a si e cresce querendo e ajudando, mas quando não, desaparece
na mesma saliva que untou-se da cor, do próprio verbo.







2 comentários: