segunda-feira, 7 de maio de 2012

Nichos/ PetNicho XXIV




Já disse (Disse?) do quando uma macaca a caçar purguinhas numa outra... Já disse (Devo ter dito. Eu que dito tanto.) que quando desses espalhafatosos rituais, os meticulosos olhares da macaca em safári fazem-me talhadoras lembranças da tua cara diante do padre, as mãozinhas em concha-sobre-concha, feito purguinha cocha, uns piscares de sobrevivo símio qualquer na bancada da feira na China, e em voltando mocha da boca em hóstia, TUDA PARA O GRUDE-CÉU, o céu da tua boca mocha em hóstia, agora em fúria, examinando de fuças a áurea da minha gola, sem sinal de discrição, dando de três a quinze coçadelas no próprio sovaco no que corrijo-te e grunhas É SU-BA-CÚ!, inda logo dos sepiados caninos rancando-me um beijinho como se o beijinho fosse a purguinha final e finalmente e tão (Tanto que dito!), malditinha babuína, morro do teu paradoxo exercício de pôr-me a nascer de segundo a segundo fabricando ditos dum amor que avança e retrocede, pretende-se prendido a rabo, reza, quebra-se de galho em galho, de Domingo a Domingo, missa a missa (Não disse? Devo ter dito.) e resguarda pulgas A DAR CUM PAU, SANTO PADRE! A DAR CUM PAU.       

                                      

2 comentários:

  1. entre símios e babuinos, este hilário textículo.
    a d o r e i
    a macaca, as fotinhas e tudo mais.

    bjos
    [e vc já não me surpreende mais]
    adoro tudo isto

    ResponderExcluir
  2. Uau, Carla, isso é tão sedutor! Nessas horas não me lembro de ter saudade alguma da Carolina! rsrsrsrsrsrs Brincadeira, tu sabes que jo tengo el maridon! rsrsrs
    Saudades, Carlinha.
    Melhoraram as coisas?
    Tchau! Deixe-me ir trabalhar!

    ResponderExcluir