sábado, 1 de outubro de 2011

REZADONICHOPESCADÔ/ Voltas Aos Montes – Dora




hoje foi mais um dia de bonitas tangerinas na feira. e nesses dias detenho-me a pensar, pesando, os dias das feias tangerinas de feira. volto pra casa, aparentemente, desfaço-me dos caroços, d’algum bagaço e faço-nos a geléia mais da cor que da fruta. somo esse pote ao armário e penso no quanto eu gostaria de dizer aparador desses potes do sol que nunca alastra a me cessar, porém ele, o armário.



/ hoje, inda que amanhã, nalgum lugar dessa nossa cidade, outra feira e o ato de partir inda que tangerinas ao meio, hoje / 


Um comentário:

  1. "IV
    Sempre descansas o teu chapéu sobre a miniatura terrestre do globo. A esta hora do dia tu recobres o oriente e te esticas para dormir, recobres-te pelo sonho, o teu capote azul celeste e borrões a nacos de nuvens, tu sabes ver, sabes ser a bucha marinha e tu te moves com o sonho – tens mesmo os barulhos do mar quando trago-te ao ouvido. O globo terrestre parece sóbrio com o teu chapéu, dizes que na tua terra os homens são assim, dizes que na tua terra os objetos amanhecem com a luz, e quando acordas tu recobres o ocidente e te esticas para adiante, e te moves para adiante, e passas velando um segredo
    E o sol do teu segredo obcecado pela luz
    que tens o nascente a oeste e o teu poente ao meio."

    ResponderExcluir