terça-feira, 6 de setembro de 2011

ANELÍDEOS RÉQUIENS/ a boca é o cu, tua língua é teu tabu – 2






a Carolina Caetano, dorMinhoca, isca para míticos vórtices.

tanto que dizes, lerda que logras, que me coisa: naja hipnotizada prevê transmutação do próprio balaio em morango com cabo então caju com a castanha e avelã de cartoon para a metade dum óculos, este teu. mas nada me empedra mais que a tua vívida franja, Medusa, Minhocário Arrastado a Musa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário