sexta-feira, 24 de junho de 2011

Nichos/ The Discharge Play/ rubrica - I

            



(Como num toque final
 contudo anterior à deixa
 deixe
 do bonsai cair a cereja na neve
 do próximo ato a te bombardear nasceres
 deste poente, deixe, deixe o mínimo pomar.)
                               Cai o pano.


                     


4 comentários:

  1. Carlinha!

    Acabei de te ler em Hellenismo!

    LINDOOOOO!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. com vaidade provinciana, todos os actos se erguem acima da cena, como se o seu palco fosse o maior, o mais importante, o que congrega todos os aplausos rendidos. ainda assim, no interlúdio da peça, a aclamação nunca se fixa na cortina corrida sobre os pôres-de-sol no olhar e encenador nenhum sabe o segredo da pele dos oceanos.
    beijo, amiga intrépita de inspiração oceânica!

    ResponderExcluir
  3. Cai o pano, e a gente descobre o quanto cai a pele!
    Adoro os seus poemas instigantes.
    beijo

    ResponderExcluir
  4. Perdido e feliz em seu blog, amei sua sensibilidade!!!

    ResponderExcluir