segunda-feira, 2 de maio de 2011

Nichos/ Um Aguado



                                           


Pressenti tua linguagem me acercando de mim e acerca de.
Era então uma boa hora e desculpa para o meu silencio fugir a mim.
Sentei-me no meio-fio e disse bem maleducada aos olhos na cara da poça:

       É agora. Diga ao mundo que é agora que eu me afogo nesse amor.

E vi que havia dito demais para essa poça tão rasa, essa minha cara tão borda e extravasei. Extravasei-me toda do nicho que eu queria beber-te, eu cadelinha de rua, Narcisa que água, tomar-te suja, poluída de mim, Narcisa que só.

2 comentários:

  1. Poluída de mim é um achado literário e uma verdade e tanto! Adorei esse post. Narciso de sujeiras feito a gente quando se olha um pouco mais de perto.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Narcisinha e assanhada por uma rabo de foguete. Adoro-te nuvem espelhada em minha página nua.

    ResponderExcluir