sexta-feira, 4 de março de 2011

Nichos/ Napoleônico





Fossemos nós
uma hora tão singular que.
A última?
Eu e você: Um viúvo derradeiro e torto tempo?
Um antigo às pressas.
O próximo. Ou o altaneiro.
Fossemos nós o primeiro.
O primeiro mais que gesto e inda mais que partos e muito além da vida e morte dessas serpentinas no Adeus.
Se fossemos nós reconciliando águas, continentes?
Uma só linha portuária invertendo todo o vertente.
Diga-me agora, Deus:
E se fossemos nós o único louco homem, desse sol, ciente?







Nenhum comentário:

Postar um comentário