quinta-feira, 10 de março de 2011

Nichos/ A-me





Construa o meu nicho sob a janela do teu quarto.
Limpa-me o vidro e o alabastro.
Conta-me como vão seus dias, ajeite o seu cabelo.
Lembra-me do cheiro da pele e do cheiro e do cheiro e do cheiro.
Enfeita-me com cartas, bilhetinhos e vaga-lumes. Não use flores.
Honra-me com teus soluços, repita-os no mármore;
EU ESTOU AQUI
EU ESTOU AQUI
EU ESTOU AQUI;
E sim, durma-me no teu sangue, sonha-me no teu leite:
                                                                     Eu estou aí.

2 comentários:

  1. Vc de um lado, e eu do outro?
    Contando-lhe como vão meus dias...?

    Faz-me falta um nicho assim...

    Um beijo, um abraço.

    ResponderExcluir
  2. "a quem me confesso agora?
    a brisa arrepiou-te a nuca
    ainda continuamos
    Os seu espinhos são os meus.
    Não consigo decifrar a tonalidade da minha pele.
    atrás do vidro baço
    ouviu? Ouviu o estalo?
    E se morrer fosse amar até não poder?" (Trenzim Diacovim)

    ResponderExcluir